Camila Cabello mostra personalidade em álbum de estreia

Um dos álbuns mais aguardados de 2018 acaba de ser lançado. Camila, álbum de estreia da cantora Camila Cabello, finalmente chegou às lojas e plataformas digitais. O disco é aguardado desde o final de 2016, quando a cantora norte-americana de origem cubana anunciou sua saída da girlband Fifth Harmony. Desde então, Camila participou de músicas de outros artistas como Hey Ma do Pitbull e J Balvin, e Know No Better do Major Lazer, assim como lançou canções solo como Crying in the Club, I Have QuestionsOMG Havana.

Com o sucesso repentino e a boa recepção de Havana, o álbum antes intitulado The Hurting. The Healing. The Loving virou Camila, e as faixas anteriormente lançadas foram descartadas. Econômica, como a maioria dos artistas ultimamente, Camila tem dez faixas e a gente faz a análise delas agora:

1. Never Be the Sameo abre-alas do álbum mostra a que veio Camila Cabello. Never Be the Same é uma daquelas canções poderosas que alguns artistas pop nos presenteiam. Produção impecável, letra viciante e vocais que nos levam para dentro da música. Apesar de falar sobre estar apaixonada por uma pessoa, o “nunca serei a mesma” pode muito bem ser interpretado como o início da nova fase da cantora, agora em carreira solo.

2. All These Yearstoda na base do violão, All These Years é uma baladinha deliciosa na qual Camila mostra toda a sutileza e delicadeza de sua voz. Sem dúvida, é uma das melhores músicas do álbum.

3. She Loves Controla latinidade de Camila surge na ótima e forte candidata a single, She Loves Control. Produzida por Frank Dukes (produtor executivo do disco e que fez Havana) e pelo DJ Skrillex, a canção é dançante e sensual, que remete a grandes nomes como Shakira, Jennifer Lopez e Thalía.

4. Havana feat. Young Thug: bom, essa faixa não precisa de apresentações. Havana é de longe o maior sucesso de Camila, tanto em carreira solo quanto nos tempos de Fifth Harmony. A música com sonoridade latina bombou em 2017; alcançou o topo da parada britânica, permanecendo por cinco semanas; chegou ao #2 na Hot 100 da Billboard e conquistou ainda mais fãs. O videoclipe à lá novela mexicana é um deleite à parte.

5. Inside Out: o amor, que é o tema recorrente no álbum, aparece em Inside Out. Mais uma vez, Camila explora ritmos latinos e praieiros. O refrão é bastante chiclete, apesar de muito repetitivo. Os versos em que Camila canta em espanhol são os melhores momentos da faixa.

6. Consequencesamar tem consequências, é sobre isso que Camila Cabello canta na sexta faixa, a mais intimista do álbum. Toda no piano, Consequences trabalha ainda mais os vocais da cantora. A canção foi escrita por Camila e Amy Wadge, responsável por Thinking Out Loud do Ed Sheeran, que venceu o Grammy de Canção do Ano em 2016.

7. Real Friendsem Real Friends, Camila faz um desabafo sobre amizades. “I’m just lookin’ for some real friends, all they ever do is let me down (Estou à procura de alguns amigos de verdade)”, canta em um dos versos da canção. Com sua saída conturbada do Fifth Harmony, é possível que a música seja sobre sua relação com suas ex-companheiras de girlband. Em recente entrevista ao jornal The New York Times, a cantora revelou que a performance do grupo no VMA de 2017, no qual uma quinta integrante era “derrubada” do palco (assista aqui), “machucou seus sentimentos”.

8. Something’s Gotta Givemais uma baladinha. Something’s Gotta Give segue o “padrão” de músicas românticas. É cantada em um tom médio em boa parte da canção e o tom sobe da metade pro final. Nesse “clímax” da música, a gente espera que Camila solte toda sua potência vocal, mas acaba não acontecendo. Fica aquele “poxa, podia ter um agudo Aguilera aqui”, mas tudo bem, a música não fica ruim – muito pelo contrário, já que é lindíssima. Something’s Gotta Give mostra uma Camila madura, que conhece os seus limites e potencial vocal.

9. In The Darkcom algumas batidas mais próximas do R&B e um refrão pouco chamativo, In The Dark é a música mais fraca do disco. Poderia ser trocada facilmente pela injustiçada OMG, que acabou ficando de fora da tracklist final do álbum.

10. Into Itcom composição de Ryan Tedder (vocalista do OneRepublic, que já trabalhou com Adele e Beyoncé) e Justin Tranter (que trabalhou no Glory da Britney Spears e no Revival da Selena Gomez), Into It é a música mais pop farofa do álbum. Com batidas eletrônicas e de dubstep, a canção tem um refrão chicletinho que fica na sua cabeça após duas ou mais audições.

11. Never Be the Same – Radio Edita última faixa é uma edição voltada para rádios de Never Be the Same.

Com dez faixas, Camila é uma grata surpresa para começar 2018. Camila Cabello mostra personalidade ao apostar em um álbum com músicas totalmente diferentes das que cantava nos tempos de Fifth Harmony. A baixa recepção de Crying in the Club – uma música maravilhosa, mas que não se diferenciava muito dos trabalhos da girlband – fez bem para Camila, que deve ter repensado sua estratégia para o seu disco de estreia.

Intimista, falando de amor e com bastante latinidade, Camila é um excelente disco pop. Conciso e equilibrado. É possível dançar, cantar e até chorar (por que não?) ao ouví-lo. Com este primeiro trabalho, Camila Cabello projeta-se como uma artista em ascensão com futuro muito promissor, principalmente pelo fato de ter colocado e mostrado a sua identidade como cantora. Inspirada por outras grandes cantoras e artistas, mas com estilo próprio.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s