13 Reasons Why – 2ª Temporada

Após todo o sucesso e repercussão de sua primeira temporada (leia a resenha aqui), 13 Reasons Why está de volta na Netflix. Depois de escutarmos as fitas deixadas por Hannah Baker (Katherine Langford) antes de se suicidar, a segunda temporada chega com o julgamento que envolve a Olivia Baker (Kate Walsh) e a escola Liberty. Paralelo a isso, Clay Jensen (Dylan Minnette) começa a receber fotos misteriosas e todos os envolvidos nas fitas que irão depor no tribunal passam a receber ameaças de morte de alguém que não quer a verdade sobre a morte de Hannah venha à tona, afinal “Hannah não foi a única”.

É com essa premissa que a segunda temporada se desenrola. Se na primeira, inspirada no livro Os 13 Porquês de Jay Asher (acusado de assédio recentemente), tivemos a versão de Hannah Baker sobre os acontecimentos que precederam sua morte; nesta, temos justamente a versão de todos os treze envolvidos nas fitas. Esse contraponto nos traz revelações não só sobre a vida de Hannah que até então não sabíamos, mas também dos demais personagens. Ele é importantíssimo, já que mostra que Hannah não era perfeita. Apesar de ter sido vítima em diversas situações, como todo ser humano, Hannah tinha defeitos e falhou também.

O transtorno de estresse pós-traumático de personagens como Jessica Davis (Alisha Boe), Alex Standall (Miles Heizer), Tyler Down (Devin Druid), Zach Dempsey (Ross Butler), Justin Foley (Brandon Flynn) e do próprio Clay é bem explorado e reforçado com o decorrer dos episódios. Nos apegamos de certa forma a Alex e Jessica, que estão em processo de recuperação física e mental por incidentes na primeira temporada; e além deles, Zach mostra-se mais emocionalmente e complexo do que pensávamos. A medida que cada envolvido no caso depõe no tribunal, novos fatos surgem e cada personagem é melhor desenvolvido, como os citados anteriormente e outros como Tony Padilla (Christian Navarro), Ryan Shaver (Tommy Dorfman), o conselheiro Kevin Porter (Derek Luke); Bryce Walker (Justin Prentice), que eleva a tensão entre todos na escola por tudo o que fez; e a própria Olivia Baker, que busca forças para trazer justiça à sua filha, mesmo ainda de luto e enfrentando um divórcio. Kate Walsh dá um show de atuação, sério!

A relação e o amor que Clay ainda tem com Hannah é algo altamente reforçado nessa temporada. Hannah simplesmente não sai da cabeça do jovem, que tenta de diversas maneiras se relacionar com Skye Miller (Sosie Bacon) e seguir em frente. Com as misteriosas fotos polaroid que surgem em suas coisas, Clay simplesmente não consegue deixar pra lá e viver sua vida sem descobrir o verdadeiro significado de tudo aquilo. O mais interessante de tudo isso são os diálogos entre Clay e Hannah (sim, ele conversa com um fantasma), que vão do amor a principalmente o ódio, de tempos em tempos. Logicamente, Clay surta com tudo o que acontece, mas precisa encontrar um ponto de equilíbrio para fazer justiça pelo amor de sua vida.

Questões corriqueiras da primeira temporada como o bullying, estupro, machismo, depressão, homossexualidade, suicídio também são pautas amplamente discutidas nesta temporada, que traz mais temas como o porte de armas, algo que vem sendo muito discutido, principalmente no EUA. O enredo que perpassa pelos 13 episódios é bom e instigante até determinado ponto. A segunda temporada começa muito bem, consegue manter um ritmo gostoso, mas perde o fôlego quando precisa manter sua audiência interessada. Já próximo dos últimos episódios, você já começa a se perguntar se tudo aquilo realmente era necessário, mas continua maratonando por simples curiosidade e acaba se decepcionando com o final, que abre margem para uma terceira temporada que necessariamente precisa acontecer.

A segunda temporada de 13 Reasons Why traz mais reflexões – super atuais – sobre as consequências do bullying, da omissão da sociedade em todos os níveis (civil, político, jurídico etc) em relação a atos criminosos e da falta de diálogo entre pais e filhos dentro do próprio lar. Mesmo se perdendo em determinados momentos, as mensagens centrais da série são nítidas e servem para mantermos e ampliarmos o debate acerca de todos esses temas recorrentes em nossa sociedade. Temas que ainda enfrentam certos tabus e resistência em todo o mundo por conta do conservadorismo exacerbado.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s