Com ‘thank u, next’, Ariana Grande mostra amadurecimento e personalidade

A diva Ariana Grande não demorou muito para lançar seu quinto álbum de estúdio. thank u, next chega há exatos cinco meses e 22 dias após Sweetener (confira nossa crítica).O tempo de espera (5/22) pelo novo material, por coincidência ou não, remete ao atentado em Manchester, que aconteceu no dia 22 de maio de 2017. thank u, next é marcado como o primeiro álbum no qual Ariana Grande é co-compositora de todas as faixas, além de não ter nenhuma parceria, o famoso “feat.”. Ilya Salmanzadeh, Tommy Brown, Andrew Wansel e o hitmaker Max Martin participam do projeto. Todos já trabalharam em outros materiais da própria Ariana.

imagine, single promocional divulgado em dezembro, abre o disco. Na faixa, Ariana canta sobre um amor perfeito, mas inatingível. Com vocais impecáveis da cantora, fãs acreditam que a faixa seja para o rapper Mac Miller, ex-namorado da cantora que morreu em setembro. Em ghostin, são utilizados elementos de 2009, canção de Mac lançada no ano passado. A música fala sobre estar com alguém, mas amar outra pessoa (muito provavelmente referência direta ao rapper). E é uma canção extremamente sensível.

A faixa título, que é também o primeiro single, foi a primeira música de Ariana a alcançar o topo da Billboard Hot 100. thank u, next cita os ex-namorados da cantora (o rapper Big Sean, o dançarino Ricky Alvarez, o comediante Pete Davidson e Mac Miller) e como cada um deles marcou sua vida. O videoclipe é uma ode a filmes dos anos 2000, como Meninas Malvadas (Mean Girls), Teenagers: As Apimentadas (Bring It On), De Repente 30 (13 Going on 30) e Legalmente Loira (Legally Blonde).

needy parece uma faixa descartada do Sweetener. Tem uma produção linear e alta ao ponto de deixar a voz de Ariana quase imperceptível. Nela, a diva canta sobre suas inseguranças, demonstrando ser uma pessoa intensa e carente, além de se sentir insuficiente. fake smile traz um R&B gostoso e samples de After Laughter (Comes Tears) da cantora Wendy Rene, lançada em 1964. É uma das músicas mais honestas do disco, pois Ariana reflete sobre o lado cruel da vida artística, que diante dos holofotes exige uma “distribuição” de sorrisos e simpatias, mesmo não estando em um dia bom.

Ariana cai de cabeça na urban music neste disco, mesclando o R&B ao trap e arriscando até alguns raps, que é o ocorre em 7 rings. Segundo single do álbum, a música assim como o videoclipe é pura ostentação. O título da faixa é uma espécie de celebração da amizade de Ariana com Courtney Chipolone, Alexa Luria, Tayla Parx, Njomza e Kaydence Krysiuk. Além disso, a música utiliza trechos da canção My Favorite Things do filme A Noviça Rebelde (1965). NASA é outra música que traz elementos do trap, assim como in my head, que fala sobre se apaixonar pela versão que criamos de uma pessoa.

Se você não curte muito trap, com certeza vai gostar de cara de bloodline. Embora utiliza elementos da urban music, a música é a mais pop do material junto com a faixa título. A canção utiliza trompetes que remetem ao reggae, é divertida e fala sobre amizade colorida. É a minha favorita. Também animada, temos bad idea, que mantém a essência do álbum. Com make up, Ariana continua com seu flerte com o trap em apenas 2:21 minutos. É a faixa mais curta do disco. break up with your girlfriend, i’m bored, terceiro single, encerra o álbum da melhor forma possível, além de ser mais uma faixa urban. E a letra diz basicamente pro @ terminar com a namorada pra ficar com a pessoa. No videoclipe, Ariana contracena com o astro de Riverdale, Charles Melton, e acaba ficando com a namorada dele hahaha. A música utiliza samples de It Makes Me Ill do *NSYNC, finada boyband na qual Justin Timberlake despontou na música (confira a partir de 2:20 no clipe de Ariana).

thank u, next é um disco no qual Ariana Grande se mostra mais vulnerável, expondo seus sentimentos, suas vontades e suas dores. Ela consegue extrair o melhor de seus trabalhos anteriores – Sweetener Dangerous Woman – encontrando o equilíbrio entre eles, que resultam em thank u, next; um álbum maduro no qual a cantora sabe muito bem aonde quer chegar. Ariana prova também que não é mais a menininha fofa do My Everything e que está mais segura do que nunca quanto à sua musicalidade e personalidade.

Ariana, que sempre cantou R&B passeando pelo pop, dessa vez se joga de cabeça no trap, estilo muito utilizado por rappers e outras divas como Beyoncé e Rihanna, e uma aposta certeira em tempos de dominação do hip-hop nos charts. O que não significa que seu novo trabalho não tenha raízes no pop, muito pelo contrário. As composições extremamente chicletes, assim como os videoclipes bem produzidos, carregam essa veia mais pop no disco com maestria. Agora “grammyada” – Ariana venceu este ano, o Grammy de Melhor Álbum Pop com o Sweetener – e sendo o maior nome feminino da indústria no momento, a frase “Ariana run pop”, verso de Nicki Minaj em Side to Side, nunca fez tanto sentido.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s